Processos


Fluxograma de fabricação

Fluxograma de Fabricação: Etanol, Açúcar e Energia

Colheita da cana-de-açúcar.

Transporte da cana-de-açúcar até a área industrial.

A cana-de-açúcar é descarregada, passando pelo  picador e desfibrador, e transportada para moagem, onde se inicia o processo de fabricação de etanol, de energia elétrica e do açúcar.

A cana-de-açúcar é preparada para a extração do caldo, por meio da moenda ou difusor. No final dessa fase o caldo é separado do bagaço.

O bagaço é queimado nas caldeiras para gerar o vapor. Este vapor de alta pressão é enviado às turbinas dos geradores de eletricidade, transformando grande parte da energia térmica em energia elétrica. Cerca de 35% de energia elétrica gerada é utilizada na unidade para a fabricação de açúcar e etanol e 65% é destinada para a iluminação de residências, cidades ou indústrias de diversos segmentos.

O caldo que sai do processo de extração passa por um tratamento para remover as impurezas minerais. São utilizados aquecedores, decantadores, turbo filtros e filtros para clarificar o caldo, deixando-o preparado para o processo produtivo de etanol e açúcar.

O caldo clarificado entra em um conjunto de evaporadores de múltiplo efeito para concentração do caldo onde se evapora grande parte da água, tornando-o na consistência de um xarope. Este xarope é bombeado aos tachos de cozimento para a cristalização do açúcar (sacarose).

O uso das centrífugas proporciona a separação dos cristais de açúcar do líquido açucarado, denominado mel ou melado. Posteriormente, o açúcar passa no secador para a retirada da umidade contida nos cristais. Na saída do secador, o açúcar é enviado por esteiras de uso alimentício até o silo ou armazéns, de onde é feito o ensacamento ou a expedição a granel.

A fermentação é em sistema de batelada e utiliza o caldo tratado das leveduras (fermento). A reação de transformação dos açúcares em álcool e gás carbônico ocorre nos fermentadores, este é um processo bioquímico realizado pelas leveduras. Após a fermentação, a levedura é separada do vinho e recuperada por meio de um processo de centrifugação. As leveduras recuperadas em pré-fermentadores são tratadas e retornam ao processo fermentativo.

O vinho em torno de 9% de álcool, sem leveduras, vai para os aparelhos de destilação onde o álcool é separado, concentrado e purificado até 96% para o etanol hidratado ou 99,6% para o etanol anidro quando se utiliza processos de desidratação do etanol. Em seguida, o combustível é armazenado em grandes tanques distintos, cuja capacidade alcança 20 mil/m2.

Após o processo de separação das leveduras do vinho, o vinho sem leveduras e com teor alcoólico em torno de 9%, vai para os aparelhos de destilação onde o álcool é separado, concentrado e purificado até 96% para o etanol hidratado ou 99,6% para o etanol anidro quando se utiliza processos de desidratação do etanol. Em seguida, o combustível é armazenado em grandes tanques distintos, cuja capacidade alcança 20 mil/m3 cada.