Cocal e GasBrasiliano avançam na construção da planta de biogás

25 / 01 / 2021

Após parecer favorável para a execução do projeto Cidades Sustentáveis, publicado em dezembro pela Arsesp (Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de São Paulo), a Cocal e a GasBrasiliano comemoram, este mês, a assinatura do contrato de compra e venda de biometano.

O projeto, que inclui o plano de construção de planta de biogás, é inovador e foi lançado na Agrishow de 2019, por meio de uma parceria entre a GasBrasiliano, empresa distribuidora de gás natural que atende a região noroeste paulista, a Usina Cocal e a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente (SIMA).

Serão investidos na nova unidade R$ 160 milhões, sendo R$ 30 milhões da GasBrasiliano, para construção de 68 quilômetros de rede de distribuição, e R$ 130 milhões da Cocal, na produção de biometano. Por parte da usina, o empreendimento de construção da planta já está concluído em mais de 70%, demonstrando a total viabilidade do projeto. A previsão para o início da distribuição do biometano a Presidente Prudente/SP é julho de 2022. O potencial de produção da planta é de 24 mil Nm3/dia de biometano (8,9 milhões Nm3/ano).

Por meio da rede de distribuição, que será construída pela GasBrasiliano, o biometano (produzido a partir de vinhaça, palha e torta de filtro – resíduos do processamento da cana-de-açúcar), partirá de Narandiba/SP, cidade onde a Cocal está localizada, e poderá atender residências, comércios, indústrias e veículos leves e pesados (GNV) de Presidente Prudente, além de Pirapozinho/SP, também contemplada no projeto, promovendo diversidade energética, competitividade à indústria e fomento à expansão da rede em regiões mais distantes.

“Estamos muito felizes com a concretização deste projeto que viabilizará a chegada do gás a novos municípios que se encontram distantes do gasoduto de transporte. A região oeste é a que concentra a maior quantidade de usinas sucroalcooleiras de São Paulo e, por meio de uma nova fonte de suprimento renovável, este modelo poderá inclusive ser replicado a outras regiões, contribuindo com o aumento da participação do gás na matriz energética”, afirmou o diretor técnico comercial da GasBrasiliano, Paulo Lucena.

“A demanda por biogás na região do oeste paulista tem aumentado significativamente nos últimos anos e, como produzir energia limpa e renovável é uma das frentes do nosso negócio, identificamos uma tecnologia capaz de garantir a produção desse gás por 12 meses e não apenas no período de safra”, afirmou o diretor superintendente da Cocal, Paulo Zanetti. Ainda segundo ele, a produção constante será benéfica para a sociedade e para o meio ambiente, pois oferecerá uma nova fonte de energia limpa para consumo, contribuirá para o desenvolvimento regional e garantirá uma destinação nobre para os resíduos industriais.

“O projeto Cidades Sustentáveis vai explorar mais uma vertente energética da cana-de açúcar ao transformar a vinhaça, que é um rejeito, em biometano. Essa solução vem ao encontro da política energética do Governo do Estado, que busca conciliar desenvolvimento regional com geração de emprego, renda, com sustentabilidade socioeconômica e ambiental”, afirmou o secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido.

Fonte: Jornal Cana